Dicas para Estratégia das Marcas

A evolução do marketing direto com a tecnologia

Conhecemos marketing direto pelos meios tradicionais como mala direta, telemarketing ou catálogo. Mas com a convergência da tecnologia com as mídias sociais o marketing direto passou por uma verdadeira revolução (ou evolução!) nos últimos anos. Por isso, na hora de fazer o planejamento de comunicação dirigida é preciso considerar um novo mundo a ser explorado.

A essência do marketing direto é conhecer o público para poder oferecer produtos e serviços cada vez mais assertivos, personalizados e relevantes. E para conhecer o consumidor é preciso obter dados sobre ele. Fato é que as interações nas redes sociais, as visitas aos sites, os registros de compras, o atendimento no SAC e todos os outros pontos de contato fornecem uma quantidade imensa de informações sobre o perfil e comportamento do cliente. Porém, não é suficiente considerar apenas as fontes de aquisição desses dados, mas também é preciso desenvolver um sistema que capte essas informações, um banco de dados que possa armazená-las e rotinas para interpretação desses dados.

Com a ajuda da tecnologia é possível criar comunicações segmentadas e personalizadas para impactar o público no momento certo e com a oferta certa.

Por isso, na hora de planejar ações de comunicação dirigida é preciso levar em consideração essas questões:

  1. Como captar dados: quais serão as fontes de aquisição de informações do cliente? Considere as transações feitas no PDV, mas também as visitas ao site, o histórico de compras, a abertura de e-mail, os cliques sobre ofertas, o comportamento nas redes sociais e os demais touchpoints.
  2. Como armazenar dados: como será estruturado o banco de dados, quais campos ele comportará, como será alimentado e  integrado ao sistema de captação de informações.
  3. Como interpretar os dados dos clientes: como será feita a interpretação das informações colhidas, quais rotinas serão criadas para análise dos dados e desenvolvimento de ações relevantes ao perfil do cliente.

Ações de marketing direto oferecem oportunidades únicas para as marcas estreitarem a relação com seus clientes. E a tecnologia passou a ser uma importante aliada para aquelas que visam ampliar a sua base de clientes e entregar ofertas cada vez mais assertivas. Por isso, não esqueça de considera-las na hora de desenvolver a estratégia de comunicação de uma marca.

 

Créditos da imagem: https://goo.gl/06ZeFQ

Designed by Freepik

Comentários (2):

  1. Fernando

    2 de setembro de 2018 em 02:24

    Gostei bastante do seu artigo, parabéns pela iniciativa

    Responder
    • Ana Paula Tabor Druszcz

      16 de fevereiro de 2019 em 12:15

      Oi, Fernando. Obrigada pelo feedback. E desculpe a demora no retorno. Tive um problema na ferramenta e não fui informada do seu comentário.
      Abs,
      Ana

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Por que as comunidades são importantes para as marcas?

Em fevereiro de 2017, o Facebook lançou um manifesto expressando seu desejo de “fortalecer nosso tecido social e fazer o mundo ficar unido”. Desde então, a plataforma tem redobrado esforços para criar e cultivar comunidades, sugerindo que seus usuários participem de diversos grupos de acordo com seus interesses. A recomendação não se restringe apenas ao ambiente on, mas ganhou a TV aberta com comerciais que trazem exemplos de como as pessoas podem se conectar às outras, com interesses similares, por meio do canal social.

Como definir palavras-chave

Estar nos primeiros resultados do Google é o objetivo de toda marca. O buscador é um verdadeiro portal para o mundo web, onde acontecem, diariamente 3,5 bilhões de buscas. Mas estar nesse seleto grupo só é possível de duas formas: com anúncios pagos (Google Ads) ou com uma boa estratégia de SEO. As duas formas exigem um planejamento de palavras-chave. Também conhecidas como “keywords” elas são a forma como o usuário vai encontrar o site da marca.