Dicas para Estratégia das Marcas

Arquétipos e a propaganda

Muitas vezes ouvimos falar sobre arquétipos. Mas o que significam e como são aplicados na propaganda?

Arquétipos é um termo usado primeiramente por Jung na psicologia analítica e remete às imagens primitivas armazenadas no inconsciente coletivo. Essas imagens foram formadas da repetição de experiências durante muitas gerações. Qualquer pessoa, independente da classe social, da religião ou do país de origem traz consigo algumas imagens, que têm significados iguais para todos.

Assim, quando falamos na figura do herói, do fora da lei ou do explorador, por exemplo, todos têm uma imagem pré-definida com conceitos básicos sobre o que essas figuras representam. Essas imagens são facilmente interpretadas pelo inconsciente e despertam sensações em quem entra em contato com elas.

As marcas se projetam no mercado através dos arquétipos, escolhendo aquele que melhor as representa e da forma como querem se posicionar e serem vistas no mercado. Ao escolher consumir uma marca, o público não está escolhendo um produto, mas sim a forma como quer se visto pela sociedade. Assim, os arquétipos nos ajudam a projetar quem somos e como queremos ser reconhecidos.

Ao fazer uso do simbolismo dos arquétipos as marcas assumem valores ligados a eles e os transferem a quem as consome. Dessa forma, as campanhas são repletas de referências arquetípicas que despertam emoções e sentimentos no público.

Como a personalidade do indivíduo, as marcas também não são formadas por apenas um arquétipo, mas geralmente um deles tem mais força e a representa melhor. Apesar de existir uma grande quantidade de arquétipos, Jung classificou 12 como os que melhor traduzem as principais motivações humanas. Conheça abaixo juntamente com referências de marcas que os representam.

arquetipos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Por que as comunidades são importantes para as marcas?

Em fevereiro de 2017, o Facebook lançou um manifesto expressando seu desejo de “fortalecer nosso tecido social e fazer o mundo ficar unido”. Desde então, a plataforma tem redobrado esforços para criar e cultivar comunidades, sugerindo que seus usuários participem de diversos grupos de acordo com seus interesses. A recomendação não se restringe apenas ao ambiente on, mas ganhou a TV aberta com comerciais que trazem exemplos de como as pessoas podem se conectar às outras, com interesses similares, por meio do canal social.

Como definir palavras-chave

Estar nos primeiros resultados do Google é o objetivo de toda marca. O buscador é um verdadeiro portal para o mundo web, onde acontecem, diariamente 3,5 bilhões de buscas. Mas estar nesse seleto grupo só é possível de duas formas: com anúncios pagos (Google Ads) ou com uma boa estratégia de SEO. As duas formas exigem um planejamento de palavras-chave. Também conhecidas como “keywords” elas são a forma como o usuário vai encontrar o site da marca.