Dicas para Estratégia das Marcas

Como aproveitar os dados gerados pelo consumidor

Todos os profissionais que trabalham com foco em melhorar a experiência do consumidor já entenderam: é preciso aproveitar os dados coletados em cada touchpoint da marca para entregar um produto ou serviço cada vez mais personalizado. Isso garante uma melhor experiência, que por consequência pode levar a fidelidade do consumidor.

Todo mundo sabe, mas muita gente está perdida. Como aproveitar essa quantidade imensa de dados gerada graças às novas tecnologias?

Estima-se que 90% dos dados disponíveis hoje no mundo foram gerados nos últimos 2 anos. O crescimento deve se acelerar ainda mais, pois a tecnologia permite a coleta de informações que antes passavam incógnitas. Tente ficar um dia sem imputar informações pessoais em algum device e você vai perceber que é quase impossível. Cadastro em e-commerce para compra via internet, utilização de GPS para chegar em algum endereço, clique num banner que mostra um produto que você se interessou, digital para passar na catraca da academia. O mundo virou um amontado de dados. E eles já são considerados tão valiosos quanto o petróleo! Afinal, informações sobre o consumidor indicam o que ele quer comprar, quando, onde e porquê. É oferecer o produto certo para a pessoa certa, no momento certo.

O mundo parece promissor. E é. O problema é que estima-se que 80% dos dados disponíveis, hoje, não sejam estruturados. Ou seja, é um monte de dados que ainda não podem ser usados como insights para alavancar os negócios. O pulo do gato está em transformar dados em informações e essas em insights. Só que nessa jornada muitos profissionais estão se perdendo.

Os profissionais de marketing estão acostumados a contar com as pesquisas para entender o comportamento do consumidor. Elas geram uma abundância de dados que com algum esforço são passíveis de interpretação. Já a tecnologia trouxe dados acumulados em plataformas que demandam a ajuda de um profissional especializado. Analistas de sistema, engenheiros da computação e profissionais de BI passaram a ser muito valorizados nos últimos anos, especialmente pela habilidade de extrair esses dados. Mas será que é isso que os torna tão especiais? Dados continuam sendo apenas dados. São pedras brutas que precisam ser lapidadas para revelar seu valor. A capacidade de ler esses dados e transformá-los em insights para melhoria dos negócios é o que torna o profissional tão valorizado. Esse é o maior desafio para o momento atual: tomar decisões baseadas em dados.

Nesse cenário, você pode contar com profissionais especializados que sejam responsáveis por extrair os dados das plataformas. Mas é necessário entender como a roda gira para saber fazer o pedido correto.

– Foco no negócio: é importante entender que o objetivo da extração de dados não é o dado em si, mas sim o potencial que ele tem para alavancar negócios. Foco no negócio sempre. O que o dado pode te contar sobre o comportamento do consumidor?

– Acompanhe a evolução dos dados: raramente a leitura de um dado traz uma tendência ou mostra o comportamento médio do consumidor. Continue acompanhando mês a mês, semana a semana ou diariamente, dependendo do seu negócio, para conseguir enxergar um padrão, encontrar um evento que possa influenciar nas vendas ou mesmo um nicho que reage de forma diferente dos demais. O acompanhamento do histórico ajuda a entender comportamentos e fazer previsões.

– Entenda das plataformas de extração de dados: você não precisa ser um expert, mas precisa entender como elas funcionam para conseguir tirar o melhor delas e fazer o pedido certo. O Google Analytics é a plataforma de web analytics mais usada para entender o comportamento de usuários em sites. Pela Google Academy você pode fazer o curso completo e totalmente gratuito. Tem curso para iniciantes e o avançado que preparam para a certificação do Google.

– Se não está tagueado não pode ser medido: dados só podem ser extraídos se eles foram imputados. Para que um dado seja mantido por um sistema é preciso programar o sistema para isso. Se é necessário saber quantos usuários clicaram em uma determinada área do site é preciso colocar uma tag nessa área. Sem isso, os dados não são coletados. E mesmo que isso seja feito posteriormente os dados anteriores serão perdidos.

– Entenda seu objetivo antes de tudo: os profissionais que trabalham com dados por vezes caem na tentação de taguear todas as áreas de um site. Só que isso pode fazer o site atingir o limite de hits e ficar lento. Entenda qual o seu objetivo e qual métrica vai responder a esse objetivo. Depois inclua as tags para coletar os dados para essa métrica. Nesse mundo de abundância de dados é preciso focar no que realmente importa para ser ágil e assertivo.

– Implantar –> medir –> analisar –> ajustar –> implantar…: não se engane, seu trabalho nunca tem fim. É um ciclo infinito. E a graça está justamente na jornada. A cada implantação é preciso medir o resultado, analisa-lo, ajustá-lo e por aí vai.

O entendimento em análise de dados não é um diferencial para o profissional que trabalha com estratégia de marcas, é mandatório. Mas ele não exige expertises que só são encontradas no Vale do Silício. Exige uma base de conhecimento em analytics, curiosidade para investigar e visão de negócios para compreender o problema. Não parece fácil, mas também não é assim tão difícil 😉

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bate papo sobre estratégias digitais

Confira o bate papo sobre marketing digital e tecnologia no programa Instante Digital da Band.

As principais tendências para Mídias Sociais

As mídias sociais são um dos segmentos mais dinâmicos do mercado. Desde o finado Orkut muitas propostas surgiram tentando angariar usuários. Algumas não conseguiram acompanhar os movimentos do mercado e expectativas do público, mas outras permanecem com legiões de seguidores e não param de se reinventar.