Dicas para Estratégia das Marcas

Como fazer benchmarking

O benchmarking é um processo bastante comum dentro do planejamento de comunicação. Mas, será que entendemos exatamente o que ele significa?

O “bench” é um processo de comparação das ações da marca em relação aos seus concorrentes. Ele analisa o que foi feito e possibilita criar ideias novas em cima do que já existe. Não é, portanto, um processo de cópia das ações dos concorrentes, como muitas vezes é confundido.

Realizado na etapa de diagnóstico do mercado o bench permite entender quais são as estratégias da concorrência e ajuda a melhorar o desempenho da empresa. Com isso, não se busca o nivelamento da marca com as demais, mas ao contrário, a superação.

Além disso, ele tem um importante fator: encoraja as marcas a irem além. Afinal, ver um concorrente inovando em alguma prática é um belo empurrão para fazer mais e melhor. Porém, é preciso tomar cuidado para não implementar uma prática que funcione para a concorrência, mas não esteja em sintonia com a identidade da marca.

É muito comum na comunicação um modelo de ação que fez sucesso ter sua fórmula replicada diversas vezes, mesmo sem ressonância com a marca. Quem não se lembra da ação do enterro do Bentley com Chiquinho Scarpa que teve seu formato explorado várias vezes por outras marcas? É preciso analisar o contexto e o posicionamento que se quer construir, caso contrário a ação pode ficar gratuita e não ser bem aceita pelo público.

Por isso, o processo de bench deve ser encarado com critério, buscando as melhores práticas do mercado.

Alguns sites podem ajudar no levantamento de ações feitas pelos concorrentes e dados de mercado:

Google – pode parecer básico, mas a desk research é um ótimo formato para comerçar a análise do mercado e entender o que os concorrentes estão fazendo

Redes sociais – geralmente, elas trazem as últimas novidades das marcas e são atualizadas com frequência

Arquivo da Propaganda – é preciso fazer assinatura, mas é a maior biblioteca publicitária do Brasil

awwwards.com e csswinner.com – trazem ótimas referências de sites

adverblog.com, adeevee.com e adsoftheworld.com – campanhas do mundo todo

CCSP – o Clube de Criação de SP reúne as melhores campanhas brasileiras

www.ibge.gov.br/home/, portalibre.fgv.br/ e www.comscore.com/por – trazem dados de mercado

www.effie.org e www.canneslions.com – trazem os cases mais premiados do mundo

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Por que as comunidades são importantes para as marcas?

Em fevereiro de 2017, o Facebook lançou um manifesto expressando seu desejo de “fortalecer nosso tecido social e fazer o mundo ficar unido”. Desde então, a plataforma tem redobrado esforços para criar e cultivar comunidades, sugerindo que seus usuários participem de diversos grupos de acordo com seus interesses. A recomendação não se restringe apenas ao ambiente on, mas ganhou a TV aberta com comerciais que trazem exemplos de como as pessoas podem se conectar às outras, com interesses similares, por meio do canal social.

Como definir palavras-chave

Estar nos primeiros resultados do Google é o objetivo de toda marca. O buscador é um verdadeiro portal para o mundo web, onde acontecem, diariamente 3,5 bilhões de buscas. Mas estar nesse seleto grupo só é possível de duas formas: com anúncios pagos (Google Ads) ou com uma boa estratégia de SEO. As duas formas exigem um planejamento de palavras-chave. Também conhecidas como “keywords” elas são a forma como o usuário vai encontrar o site da marca.