Dicas para Estratégia das Marcas

Marcas que investem em causas

Está no ar, em TV aberta, a campanha “Buy a Lady a Drink”, uma parceria entre a Stella Artois e a ONG Water.org, co-fundada por Matt Damon. O filme busca chamar a atenção da população sobre o problema de água potável no mundo e associar a marca a uma causa nobre (conheça a campanha aqui).

Stella Artois, pertence a gigante Ambev, que anunciou há pouco tempo que vai direcionar 100% do lucro da sua nova marca de água mineral para financiar projetos de acesso a água potável no Nordeste. Afinal, “água” é um dos recursos fundamentais para o processo produtivo da Ambev e a empresa entende que deve colaborar devolvendo para a sociedade o que está usando da natureza.

Já a Montblanc se uniu a Unicef para criar uma coleção especial em prol da melhoria na educação de mais de 5 milhões de crianças no mundo. A coleção Montblanc for Unicef irá doar parte do lucro para investir em material didático e na formação de professores. A marca, que acredita que a escrita é uma janela para o mundo, se compromete a doar, no mínimo, 1,5 milhões de dólares para a causa (conheça mais aqui).

Os exemplos de marcas que se envolvem em causas sociais são muitos. Mas afinal, por que uma empresa direciona seus esforços e budget para elas? Na verdade, o que as empresas procuram é relacionar as causas que apoiam ao seu propósito como marca. As novas gerações de consumidores estão escolhendo se relacionar com marcas que tenham um propósito claro e impactos positivos na sociedade. Pesquisas mostram que, aquelas que conseguem efetivamente entregar valor para a sociedade, podem aplicar preços mais altos em seus produtos.

No entanto, é preciso escolher bem a causa que a empresa irá apoiar. Ela deve estar alinhada com o seu propósito e posicionamento, do contrário o discurso é vazio. E os consumidores sabem identificar discursos verdadeiros e genuínos de marcas que realmente têm relevância na sociedade e querem deixar o seu legado. Não é à toa que a Ambev decidiu se associar a uma causa que visa proteger a matéria prima essencial a seus produtos e que a Montblanc criou uma coleção inteira para gerar recursos que incentivem à escrita. Ambas estão trabalhando com causas que têm a ver com seu propósito como marca.

Aproveite para conferir esse vídeo em que Walter Longo fala sobre as causas das marcas:

 

Comentários (1):

  1. Marcio Elias

    3 de agosto de 2019 em 09:27

    Vocês conhecem a OUT? Eles tem a iniciativa de doar uma camiseta para uma pessoa em situação de rua a cada 5 peças que eles vendem. No insta deles tem várias fotos. Vale a pena conhecer. Vou mandar o site para vcs poderem checar. 🙂 http://www.sejaout.com.br

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Por que as comunidades são importantes para as marcas?

Em fevereiro de 2017, o Facebook lançou um manifesto expressando seu desejo de “fortalecer nosso tecido social e fazer o mundo ficar unido”. Desde então, a plataforma tem redobrado esforços para criar e cultivar comunidades, sugerindo que seus usuários participem de diversos grupos de acordo com seus interesses. A recomendação não se restringe apenas ao ambiente on, mas ganhou a TV aberta com comerciais que trazem exemplos de como as pessoas podem se conectar às outras, com interesses similares, por meio do canal social.

Como definir palavras-chave

Estar nos primeiros resultados do Google é o objetivo de toda marca. O buscador é um verdadeiro portal para o mundo web, onde acontecem, diariamente 3,5 bilhões de buscas. Mas estar nesse seleto grupo só é possível de duas formas: com anúncios pagos (Google Ads) ou com uma boa estratégia de SEO. As duas formas exigem um planejamento de palavras-chave. Também conhecidas como “keywords” elas são a forma como o usuário vai encontrar o site da marca.