Dicas para Estratégia das Marcas

O poder de um diagnóstico bem feito

Sabe quando você vai a uma consulta e o médico te atende em 5 minutos? A probabilidade de ele ter feito um bom diagnóstico sobre o seu problema é bem baixa. Com o planejamento de comunicação é a mesma coisa.

Temos a tendência em discutir a estratégia e partir para a recomendação do que deve ser feito antes de entendermos o cenário por inteiro. Apenas um bom diagnóstico é capaz de entregar um cenário claro que permita se chegar a uma estratégia assertiva.

E, para isso, nessa fase devemos entender o negócio do cliente: quais são os players, como cada um se diferencia, o que o consumidor valoriza, quais são seus hábitos de consumo, qual a percepção da marca, qual a estratégia de comunicação e posicionamento que os concorrentes assumiram, quais tendências e comportamentos estão influenciando o mercado e podem indicar novas demandas, entre outras coisas que ajudem a entender o mercado em que a marca está inserida. E o mais importante: entender qual a estratégia global da empresa. A partir do planejamento estratégico, a área de marketing consegue definir a estratégia de marketing e a partir dela se define a estratégia de comunicação. Por isso, entender as diretrizes globais da empresa é fundamental para que a comunicação possa contribuir para se atingir os objetivos macro.

O levantamento de informações pode se dar com fonte primária (origem da informação, como uma entrevista com o público-alvo) ou secundária (dados já interpretados, como artigos sobre o tema). Existem ferramentas e técnicas que podem ajudar nesse processo e vamos trata-las em um outro post. Mas, independentemente da forma utilizada para o levantamento de dados, o importante é ter uma visão clara sobre o mercado de atuação da marca. Por isso, investir tempo e dedicação nessa etapa do planejamento de comunicação permite se definir uma estratégia com mais segurança e assertividade.

Um diagnóstico bem feito é a chave para um planejamento de comunicação consistente e coerente. Por isso, não caia na armadilha de sugerir uma recomendação estratégica antes de estudar muito bem todo o cenário.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Por que as comunidades são importantes para as marcas?

Em fevereiro de 2017, o Facebook lançou um manifesto expressando seu desejo de “fortalecer nosso tecido social e fazer o mundo ficar unido”. Desde então, a plataforma tem redobrado esforços para criar e cultivar comunidades, sugerindo que seus usuários participem de diversos grupos de acordo com seus interesses. A recomendação não se restringe apenas ao ambiente on, mas ganhou a TV aberta com comerciais que trazem exemplos de como as pessoas podem se conectar às outras, com interesses similares, por meio do canal social.

Como definir palavras-chave

Estar nos primeiros resultados do Google é o objetivo de toda marca. O buscador é um verdadeiro portal para o mundo web, onde acontecem, diariamente 3,5 bilhões de buscas. Mas estar nesse seleto grupo só é possível de duas formas: com anúncios pagos (Google Ads) ou com uma boa estratégia de SEO. As duas formas exigem um planejamento de palavras-chave. Também conhecidas como “keywords” elas são a forma como o usuário vai encontrar o site da marca.