Dicas para Estratégia das Marcas

O que o planejamento tem a ver com a execução?

Se você acha que o planejamento de comunicação precisa se preocupar apenas com o projeto esse texto é pra você. Já vi planejamentos lindos, bem escritos, com ideias brilhantes e apresentados com maestria (aplaudidos, inclusive!) terem um fim triste na execução. Melhor se tivessem sido engavetados…

Os planners costumam correr um risco básico: se preocupar com a aprovação do planejamento. Mas a aprovação é apenas a primeira etapa do trabalho. Isso não significa que a equipe de planejamento fará a execução do projeto. Para isso, temos a turma que cuida da gestão. Porém, um planejamento que só funciona no papel é pior que a falta de um planejamento, pois ele se transforma numa ação medíocre.

Na hora de planejar é fundamental considerar a execução. Para isso, uma boa noção de gestão de projetos é bem vinda, mas na falta de conhecimento sobre o assunto, considere ao menos duas questões básicas, mas igualmente importantes:

  1. Prazo
  2. Investimento

Esses dois fatores são responsáveis, em grande parte, pelo sucesso (ou fracasso) de um plano. Antes de fechar o planejamento certifique-se que existe prazo suficiente para executar as ações. É lógico que estamos correndo sempre contra o relógio, mas se não houver tempo hábil de execução nem adianta apresentar a ideia. O mesmo vale para o investimento. Óbvio que com mais dinheiro é possível fazer algo mais bacana, mas não adianta inventar se a verba não vai brotar do chão. Apresente algo que caiba no budget. A ideia brilhante pode ser apresentada como cenário extra ou ideal.

É preciso se certificar que o que foi apresentado é passível de ser executado. Lógico que existem outros fatores que podem interferir no sucesso do projeto. Inclusive, já falamos de alguns deles aqui. Mas, se você considerar ao menos esses dois e entrega-los bem resolvidos a probabilidade de seu planejamento se transformar num projeto de sucesso é bem maior.

Então, não desanime em ter que apresentar um plano mais “magrinho”. É melhor entregar o feijão com arroz bem feito do que ver na execução o plano minguar e as ações serem canceladas. Um plano simples, se bem executado, pode render muitos frutos e trazer bastante resultado.

 

Comentários (2):

  1. Gabriela

    11 de abril de 2017 em 09:11

    Show. Nada como conhecer os dois lados da função!😉

    Responder
    • Ana Paula Tabor Druszcz

      12 de abril de 2017 em 21:58

      É verdade, Gabi! 🙂

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Por que as comunidades são importantes para as marcas?

Em fevereiro de 2017, o Facebook lançou um manifesto expressando seu desejo de “fortalecer nosso tecido social e fazer o mundo ficar unido”. Desde então, a plataforma tem redobrado esforços para criar e cultivar comunidades, sugerindo que seus usuários participem de diversos grupos de acordo com seus interesses. A recomendação não se restringe apenas ao ambiente on, mas ganhou a TV aberta com comerciais que trazem exemplos de como as pessoas podem se conectar às outras, com interesses similares, por meio do canal social.

Como definir palavras-chave

Estar nos primeiros resultados do Google é o objetivo de toda marca. O buscador é um verdadeiro portal para o mundo web, onde acontecem, diariamente 3,5 bilhões de buscas. Mas estar nesse seleto grupo só é possível de duas formas: com anúncios pagos (Google Ads) ou com uma boa estratégia de SEO. As duas formas exigem um planejamento de palavras-chave. Também conhecidas como “keywords” elas são a forma como o usuário vai encontrar o site da marca.