Dicas para Estratégia das Marcas

Por que as comunidades são importantes para as marcas?

Em fevereiro de 2017, o Facebook lançou um manifesto expressando seu desejo de “fortalecer nosso tecido social e fazer o mundo ficar unido”. Desde então, a plataforma tem redobrado esforços para criar e cultivar comunidades, sugerindo que seus usuários participem de diversos grupos de acordo com seus interesses. A recomendação não se restringe apenas ao ambiente on, mas ganhou a TV aberta com comerciais que trazem exemplos de como as pessoas podem se conectar às outras, com interesses similares, por meio do canal social.

Com a missão de “dar às pessoas o poder de criar comunidades e aproximar o mundo” o Facebook sabe que não basta criar laços virtuais, por isso tem se esforçado para trazer essas conexões para o mundo real, tornando-as mais verdadeiras. É por isso que além de estimular que os usuários se conectem no ambiente online ele também oferece iniciativas como o Impulsione com Facebook, que promove eventos para empreendedores, a Estação Hack SP, um centro de apoio à inovação que capacita jovens de baixa renda, o Instamarket, feira para pequenas e médias empresas no Instagram e #ElaFazHistória, iniciativa que conecta mulheres empreendedoras.

Os canais sociais são um dos melhores meios para se criar comunidades, já que as similaridades e preferências naturalmente conectam pessoas com interesses iguais. E é essa a grande força das mídias sociais. Apesar da monumental base de mais de 2,4 bilhões de usuários no mundo, muito se especula sobre o ciclo de vida do Facebook. A plataforma teria entrado em declínio ou ainda vai atingir seu ponto de maturidade? Fato é que talvez os usuários se cansem do formato que o canal oferece, mas relações sociais sempre vão existir no ambiente digital. As pessoas sempre estarão em busca de conexões com outras pessoas, tanto no ambiente real quando no virtual.

Segundo dados do blog Innovation Insider, pessoas acreditam 3 vezes mais em pessoas do que nas marcas. É por isso que as comunidades são tão importantes, não apenas para o Facebook, mas para as marcas em geral. Ter um depoimento genuíno de um igual sobre uma determinada marca tem muito mais credibilidade do que a própria marca falando bem de si mesma.

Marcas que estimulam comunidades ganham depoimentos genuínos e autênticos, trazendo credibilidade para a mensagem com seus consumidores. Além disso, clientes promotores e defensores da marca podem ajudar a aumentar a satisfação dos clientes, trazer feedbacks sobre produtos, reduzir o churn e incentivar o upselling.

Mas para que uma comunidade nasça e se fortaleça é preciso ter um propósito comum. Nenhuma comunidade se desenvolve sem que seus membros compartilhem do mesmo projeto. Por isso, é importante que a marca tenha um propósito claro, com o qual as pessoas possam se envolver e se sentir motivadas. Os millennials são uma geração com forte senso de comunidade e se não identificarem um claro propósito da marca não se sentirão engajados a se envolver com ela.

Por isso, as marcas devem aproveitar o impulso natural das pessoas de se conectar com quem se identificam. Mas é preciso ter um propósito claro para que as pessoas possam compartilhar o que têm em comum.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Como definir palavras-chave

Estar nos primeiros resultados do Google é o objetivo de toda marca. O buscador é um verdadeiro portal para o mundo web, onde acontecem, diariamente 3,5 bilhões de buscas. Mas estar nesse seleto grupo só é possível de duas formas: com anúncios pagos (Google Ads) ou com uma boa estratégia de SEO. As duas formas exigem um planejamento de palavras-chave. Também conhecidas como “keywords” elas são a forma como o usuário vai encontrar o site da marca.

Inbound Marketing Final: 4 dicas práticas

Os últimos dois textos abordaram as etapas do funil de vendas e como planejar os principais passos de ações de Inbound Marketing. Agora, vamos trazer algumas dicas práticas para fazer a gestão dessas ações.